segunda-feira, 20 de abril de 2009

"Rumblewick o feiticeiro"

Num reino distante, vivia uma bruxa chamada Haggy Aggy (H.A.) e o seu gato Rumblewick, terrível feiticeiro B (R.B.). Durante sete anos o R.B. tinha que ensinar a H.A. a ser bruxa. Mas a tarefa não iria ser fácil porque ela não queria ser maldosa. Recusava-se a andar de vassoura, não dava gargalhadas estridentes, não assustava as crianças e não fazia feitiços. Ela preferia ir às compras, ver televisão e ir passear com as amigas que não eram bruxas.
Então resolveu escrever uma carta ao tio Sherbet, que era um feiticeiro experiente, para pedir ajuda. O tio respondeu com uma carta que tinha lá dentro um feitiço para trazer à razão bruxas teimosas. O R.B. não conseguia fazer um feitiço, pois a H.A fugiu para o clube vídeo. Entretanto, seguiu um grupo de crianças até à biblioteca para ouvir histórias de princesas.

A H.A. pediu ao R.B. para mandar uma carta ao palácio, mandando que o príncipe se encontrasse com ela. Comprou um vestido de balão com brilhantes, sapatos de bailarina e uma tiara, para aprender a caminhar como uma princesa. Além disso, pediu ao seu gato Rumblewick que transformasse uma couve-flor numa carruagem para se encontrar com o seu príncipe.
O tio sugeriu que o gato dissesse que ela era uma linda princesa, para ter tempo para fazer o feitiço que a tornaria muito feia.
O gato gostou da ideia, por isso foi procurar os ingredientes para o feitiço.

O seu melhor amigo deu-lhe um feitiço para transformar uma couve-flor numa carruagem, mas não resultou. Entretanto, conseguiu transformar essa couve-flor num cavalo de pau e tentou convencer a H.A. de que estava na moda para transportar princesas.
Então, a bruxa foi para o bosque com o seu cavalinho de pau para se encontrar com o príncipe.
Apesar do feitiço da fealdade ter resultado, o príncipe achou que a H.A. era diferente das outras princesas e implorou que casasse com ele.

A H.A. pediu ao príncipe que fosse desafiar o dragão do submundo das bruxas, que não a deixava dormir com o seu ressonar. O príncipe começou a tremer como uma gelatina, cheio de medo. A bruxa desconfiou e resolveu fazer um teste. Pediu ao R.B. que empilhasse dez colchões e pusesse lá no meio uma ervilha. O bruxo decidiu não pôr nenhuma ervilha, para que o príncipe não a encontrasse. A H.A. perguntou ao Príncipe se sentia alguma ervilha e ele disse que não. Então, transformou o príncipe numa abóbora com pernas e mandou-o embora.
O gato ficou contente por ela não ter casado com o príncipe e ter feito finalmente um feitiço que resultou.
No final, H.A. ficou a ver o bailado do “Quebra-nozes”. Provavelmente, quererá vir a ser uma bailarina.Rumblewick ainda terá muito trabalho pela frente…

Hoje aprendemos (turma nº30) como se dão a conhecer os trabalhos que fazemos através de um blogue.
Na BE inserimos o reconto do livro "Cartas de Rumblewick"

escrito por Hiawyn Oram
e ilustrado por Sarah Warburton, aprendemos a inserir as nossas imagens e recordámos como se recortam.
Já conheciam este conto?
Gostaram do nosso trabalho?
Ficamos à espera da vossa opinião.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

"Adivinha quanto eu gosto de ti"

Adoramos ouvir ler e descobrir o que já sabemos...
Na biblioteca a professora Ana leu-nos a história

Ficámos a conhecer o seu escritor Sam McBratney


e a ilustradora Anita Jeram.

Vimos e ouvimos o vídeo do conto com muita atenção. E como gostámos tanto vimos 3 vezes...


Espreitem e temos a certeza que também vão gostar:

http://www.youtube.com/watch?v=rigYTeVQ6dg&feature=channel_page

Partilhámos com as professoras e colegas quem nos costuma dizer "gosto tanto de ti"... depois imaginámos que estávamos a abraçar a mãe, o pai, a avó, os manos, os amigos... esticámos os braços e demos um ABRAÇO gostoso...

A seguir foi uma loucura! A canção que o André Sardet criou levou-nos até à lua e da lua até à biblioteca...


cantámos... cantámos... cantámos até ficar cansados, mas muito FELIZES!


video

Descobrimos que já sabíamos ler quase tudo da letra da canção:

Já pensei dar-te uma flor,
com um bilhete,
Mas nem sei o que escrever
Sinto as pernas a tremer
Quando sorris para mim,
Quando deixo de te ver
Vem jogar comigo um jogo
Eu por ti e tu por mim
Fecha os olhos e adivinha
Quanto é que eu gosto de ti

Gosto de ti desde aqui até à Lua
Gosto de ti desde a Lua até aqui
Gosto de ti simplesmente porque gosto
E é tão bom viver assim

Ando a ver se me decido
Como te vou dizer, como hei-de te contar
Até Já fiz um avião
Com um papel azul
Mas voou da minha mão
Quantas vezes eu parei à tua porta
Quantas vezes nem olhaste para mim
Quantas vezes eu pedi que adivinhasses
Quanto é que eu gosto de ti...
Que momentos maravilhosos!
Obrigada aos 3 autores.